quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

O amor que eu nunca fiz.

O amor que eu nunca fiz tinha cheiro de pecado
Tinha um monte de carinhos guardados
Tinha início num simples beijo
Que terminava envolto em milhões de desejos.


O amor que eu nunca fiz era criança
Era alucinado e acalorado
Depois virou adolescente e carente
Mais tarde, um senhor
Triste e empalhado
Escondido dentro do passado.


O amor que eu nunca fiz
Tinha cheiro de jasmim
Perfume de alecrim
A cor da aurora
Teria sido um instante de glória

Talvez o começo de uma história.


Chamava por mim
Sempre foi assim…
No silêncio da madrugada
Em alguma hora encantada…
Ele era fantasiado de alegria

Escondido atrás da agonia


Quente e louco
Perturbado e indiciplinado
Era medroso, cheio de angústias
Partículas de tormentos

Cheio de instantes e momentos.


O amor que eu nunca fiz
Me chamava, me enfeitiçava

Tentava me levar ao final da estrada
Mas minha fuga
Sempre era alucinada
Fuga de lágrimas, sem palavras.


O amor que eu nunca fiz era gelado

Frio e molhado
Doce e salgado
Fugitivo e enraizado
Seco e atormentado
Imperfeito e arruinado.


O amor que eu nunca fiz…
Me deixou marcas
Por toda parte
Por cada pedaço do meu corpo
Nos lábios e no rosto

No peito e na emoção
Na saudade e no coração.


Fugiu de mim
E sempre vai ser assim

Porque o amor que eu nunca fiz
Riu quando eu não quis
Embora eu saiba
Que dentro do seu coração
Ficou um vácuo
Uma ilusão
Uma estranha sensação…


Mas o amor que eu não fiz
Ainda me atormenta
Ainda me alimenta
Ainda não se satisfaz
Ainda não é capaz.


O amor que eu nunca fiz
De certa forma eu já fiz
Quando olhei nos seus olhos
Quando beijei a sua boca

Quando fiquei completamente louca
Quando nas noites de verão
Peguei na sua mão
Quando o seu corpo encostou no meu
E enlouquecida eu quis o seu.


O amor que eu nunca fiz
Abriu-me uma porta
Iniciou uma história
De derrota e de glória
De despedida e partida

De amizade sofrida
De paixão, amor e dor.


O amor que eu jamais fiz
Foi nosso peso
Foi nossa medida
Nosso pesadelo
E nossa dívida
Foi nosso desespero
E ficou sendo também
O nosso segredo.


O amor que eu nunca fiz
Foi justamente, de todos…

…o que eu mais quis!

 

 

 

 

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

"A gente só conhece bem as coisas que cativou… Se tu queres uma amiga, cativa-me! "